Bíblia Católica e Bíblia Evangélica: Qual a diferença?

Qual a diferença entre a Bíblia Católica e Bíblia Evangélica? Breve estudo comparativo com a diferença do número de livros, tipos de tradução e outras informações sobre o assunto.

Siga as playlists no Spotify: Harpa Cristã / Hinos e Músicas Cristãs


Creio que muitas pessoas têm dúvidas relativas a possíveis diferenças entre a Bíblia Católica e a Bíblia Evangélica. Seriam essas diferenças que levam evangélicos a discordar dos católicos e vice-versa?

Como ex-católico, conheço as duas versões da Bíblia e creio que as duas diferenças existentes entre elas são: Número de livros e tradução.

Numero de livros

A Bíblia evangélica tem 66 livros, enquanto que a Bíblia católica tem sete livros a mais. Estes livros são: Tobias, Judite, I Macabeus, II Macabeus, Baruque, Sabedoria e Eclesiástico.

Estes livros foram considerados pelos protestantes como não canônicos o que levou os tradutores a rejeitem como parte da Bíblia. Há muita discussão a respeito disso, sobre o conteúdo deles e colabora ainda o fato destes livros não terem sido citados por nenhum autor do Novo Testamento.

Já a tradição católica os mantém como canônicos e por isso há essa diferença.

Mas é preciso levar em conta que são livros do Antigo Testamento e portanto praticamente não muda nada na fé cristã, pois os 27 livros do Novo Testamento estão presentes em todas as versões e ainda os demais 39 livros do Antigo Testamento.

Tradução

Já na tradução há algumas diferenças que precisam ser bem entendidas.

Primeiro, é preciso entender que a Bíblia foi originalmente escrita em hebraico e aramaico (antigo testamento) e grego (novo testamento). Posteriormente o AT foi traduzido para o grego. As Bíblias escritas em outros idiomas como inglês, espanhol, francês, alemão, português, etc, são versões do grego e hebraico original. Desta forma, cada tradutor usou expressões diferentes em seu próprio idioma para representar aquilo que estava escrito em grego ou hebraico.

As diferentes versões da Bíblia, normalmente não alteram o sentido original, por isto, tanto a tradução católica como a evangélica tem o mesmo princípio. Evidentemente que alguns termos podem ter sido adaptados a uma comunidade em detrimento de outra.

Com o tempo houve mudanças na forma de traduzir os textos bíblicos. Assim, existem traduções mais literais e outras utilizam uma linguagem mais contemporâneas. Mas isto pode ocorre tanto em versões católicas, como nas evangélicas que são bem mais abundantes.

Tradução da Bíblia para o português

A Bíblia evangélica usada no Brasil foi traduzida para o português por João Ferreira de Almeida, um português católico que se converteu ao protestantismo em 1642 e logo em seguida iniciou o trabalho de tradução. A versão de Almeida foi a primeira em língua portuguesa.

Hoje existem inúmeras versões, sendo essas as mais conhecidas (não necessariamente nesta ordem):

  • ACF - Almeida Corrigida e Fiel
  • ARC - Almeida Revista e Corrigida
  • ARA - Almeida Revista e Atulizada
  • NAA - Nova Almeida Atualizada
  • NVI - Nova Versão Internacional
  • NVT - Nova Versão Transformadora
  • HTLH - Nova Tradução na Linguagem de Hoje
  • Almeida Século 21
  • Entre outras

Para quem gosta de ter a Bíblia no celular, certamente um dos melhores aplicativos é o YouVersion que reúne as principais traduções não só em português, como na maioria dos idiomas.

Conclusão

As diferenças entre a Bíblia católica e a Bíblia evangélica não torna uma verdadeira e outra falsa. Ela é única em sua essência e tem o mesmo propósito que é apresentar a salvação em Jesus Cristo.

Católicos e evangélicos submetem à mesma palavra. O critério de salvação para um evangélico é o mesmo para um católico. Se os evangélicos insistem que é necessário entregar a vida a Jesus e obedecer à palavra de Deus, a Bíblia católica não desmente isto, pelo contrário, ela confirma isto.

Portanto, a diferença entre evangélicos e católicos não é pelo que está na Bíblia e sim pelo que não está. Enquanto que os evangélicos têm sua fé fundamentada exclusivamente nas sagradas escrituras, os católicos baseiam-se também na tradição e nos dogmas da igreja, como: a  assunção de Maria, a infalibilidade do papa, o purgatório, o culto aos mortos, culto aos santos, entre outros. Estes ensinamentos não são bíblicos e, portanto são alguns dos pilares que distanciam evangélicos de católicos.

Fiquemos com a Bíblia, pois ela é a palavra de Deus, inspirada pelo Espírito Santo e fonte de toda a informação que o homem precisa para conhecer a Deus.